Inovação deve receber R$ 30 bilhões em novo pacote, diz jornal

O governo federal vai anunciar um pacote com medidas para fomentar a inovação, incluindo uma linha de crédito com juros subsidiados de cerca de R$ 30 bilhões, informou o jornal O Estado de S.Paulo, na reportagem “Pacote vai destinar R$ 30 bi à inovação”, publicada em 4 de fevereiro. O texto, assinado por João Villaverde, destaca que parte dos recursos será via subvenção econômica e que serão beneficiados setores prioritários do Plano Brasil Maior.

De acordo com o jornal, o conjunto de medidas será voltado para os seguintes setores: etanol, petróleo e gás, defesa, tecnologia da informação (TI), complexo industrial da saúde e energias renováveis. A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) será a instituição responsável por oferecer as linhas especiais de crédito às empresas, mas a maior parte dos recursos será proveniente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Embrapii

No evento que revelará os detalhes do pacote também será feito o anúncio oficial do lançamento da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) — projeto em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) —, cujo modelo institucional será de uma organização social (OS), escreve Villaverde. Rafael Lucchesi, diretor da CNI e diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), deverá ser indicado por técnicos do governo para o cargo de presidente da Embrapii, diz o jornal.

“Na visão do governo, as empresas terão acesso a dinheiro subsidiado para aplicar em projetos de inovação e terão na Embrapii um auxiliar na modelagem dos projetos a serem financiados pela Finep”, ressaltou o periódico. Segundo o texto, a nova OS também vai “fazer a ponte” entre as firmas e os institutos tecnológicos federais e as universidades.

“Observatório” A reportagem informa ainda que será criado o chamado “Observatório da Inovação”, composto por técnicos, sob o controle do titular do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), para acompanhar a destinação dos recursos do setor e os avanços da pesquisa e desenvolvimento (P&D) no País. Outra medida a ser divulgada será a extensão dos benefícios tributários da Lei do Bem para empresas optantes pelo Simples Nacional, o que minimizará o peso dos impostos para companhias de menor porte que queiram investir em P&D e patentear suas inovações.

“A meta geral do novo pacote do governo é elevar, até o fim de 2014, os investimentos gerais (públicos e privados) do País em inovação para algo como 2% do Produto Interno Bruto (PIB). Hoje, o investimento em inovação é de 1,4% do PIB”, detalha Villaverde.

Fonte: Site da FNE – Federação Nacional dos Engenheiros