Especialistas discutem adoção do “PIB verde”

A substituição do PIB (Produto Interno Bruto), como índice para medir o desenvolvimento de um país, por outro que incorpore variáveis sociais e ambientais, além da econômica, está em discussão no Senado, na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA).

Frente a críticas pelo foco econômico do PIB e sua incapacidade de medir a evolução dos países, o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), que considera expectativa de vida, educação e renda, tornou-se uma alternativa. Esse índice foi adotado na década de 1990 pela ONU (Organização das Nações Unidas) como medida de progresso nacional.

Durante a Rio+20, o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) apresentou, como evolução do IDH, as bases conceituais para um futuro Índice de Desenvolvimento Humano Sustentável, que também levaria em conta os custos do desenvolvimento humano para as futuras gerações.

Segundo o senador Rodrigo Rollemberg, presidente da CMA, o novo índice levaria em conta questões como a valorização monetária do capital natural – diferentemente do atual PIB, que representa a soma de bens e serviços finais produzidos por um país.

Rollemberg e outros senadores que integram a CMA defendem que o conceito de PIB seja reformulado, para representar um modelo de produção e de consumo sustentável que incentive a proteção dos recursos naturais.

*Informações da Agência Senado